NOTÍCIAS

Jornada dupla

29/07 de 2015 - 11:20

Estreante Rodrigo Baptista vai enfrentar novamente uma maratona de quatro corridas em dois dias, com carros completamente diferentes

Com apenas 18 anos de idade e no seu primeiro ano no automobilismo, Rodrigo Baptista passará neste final de semana (01 e 02/8) novamente por uma maratona de quatro corridas. Ele disputa simultaneamente a Copa Petrobras de Marcas e a Fórmula 3 Brasil, que terão a quarta rodada dupla da temporada realizadas no Autódromo Internacional de Curitiba (AIC).

"Não tive problemas em fazer quatro corridas seguidas e com carros tão diferentes. Na primeira vez em que isto aconteceu, no Velopark (RS), consegui excelentes posições de largada nas duas categorias, venci na Fórmula 3, e tive grandes disputas no pelotão da frente no Marcas", relembra Rodrigo Baptista, terceiro no campeonato da Fórmula 3 Brasil e 10º colocado na Copa Petrobras de Marcas.

Em sua primeira maratona de quatro corridas, na acanhada pista gaúcha de Nova Santa Rita, Rodrigo Baptista largou em terceiro na Fórmula 3 Brasil e venceu a sua primeira corrida de carros. Na segunda prova sofreu com problema mecânico e terminou em quinto. Já no Marcas largou em quinto, mas abandonou a etapa com avaria mecânica. No encerramento da programação largou em 17º e lutou pela quarta colocação, recebendo a bandeirada em nono.

"Além do bom desempenho com carros com reações opostas - o Fórmula 3 é um monoposto leve e com tração traseira e o Toyota Corolla é um veículo tipo Turismo com tração dianteira -, como tenho um excelente preparo físico e nutricional, o meu cansaço foi normal. Por isto, não vejo dificuldade em fazer esta maratona em Curitiba", acredita o
piloto.

A pista da região metropolitana da capital paranaense é uma das preferidas de Rodrigo Baptista, que já alcançou boas performances no traçado de 3.695 metros. Em sua estreia no automobilismo ele largou em quarto e recebeu a bandeirada em segundo. Na outra prova subiu novamente no pódio, no terceiro posto. "Curitiba é uma pista que me dei bem desde o começo, na minha primeira corrida da Fórmula 3. E novamente penso em subir no pódio e pontuar bem pensando no campeonato", planeja o terceiro colocado no campeonato.

Em sua experiência em Curitiba pela Copa Petrobras de Marcas, justamente na última rodada disputada, Baptista foi o segundo mais rápido com o seu Toyota Corolla nos treinos livres e fez o sétimo tempo para o grid de largada. Na primeira corrida abandonou logo no final da reta depois que ter levado uma batida na lateral. No complemento da programação largou em 17º, estabeleceu a terceira volta mais rápida e recebeu a bandeirada em quinto. "No Marcas é uma das pistas que fui mais rápido e espero conseguir ficar entre os três primeiros desta vez"

Além de contar com o seu talento natural, excelente preparação física e ótima retaguarda técnica, Rodrigo Baptista conta com a total confiança de seus dois chefes de equipes.

"Além de ser uma pista onde nossos carros são muito rápidos, o Rodrigo já foi o mais rápido em treinos e também muito rápido em corrida. A evolução dele tem sido clara e temos todas as condições para largar das duas primeiras filas", afirma Eduardo Bassani. "Mas a nossa expectativa é brigar pela pole position, ou pelo menos alinhar na primeira fila para brigar por vitória", prevê o chefe da equipe Toyota Bassani.

"Minha expectativa é que o Rodrigo obtenha um excelente resultado na sua segunda passagem pelo autódromo de Curitiba num carro de F-3", espera o chefe da equipe PropCar Racing/HT Pro Nutrition. "Apesar dele não ter realizado treinos há 15 dias como os demais pilotos, por motivos de viagem, encontramos um bom acerto aerodinâmico para os carros da nossa equipe, fizemos alterações no alinhamento dos carros e trabalhamos bastante os amortecedores, após serem revisados no Luis Garcia (Koni Brasil). Com o gráfico de dureza e variáveis, pudemos analisar melhor a performance dos mesmos durante as freadas e contornos das curvas de alta velocidade. O importante em Curitiba é manter o perfil inferior do carro o mais constante possível, sem muita variação onde o dow force exerce verdadeiramente sua função", completa Dárcio dos Santos.